ProntoVet

Artrose pode dificultar a vida sexual de mulheres

A doença, mais frequente em idosas, tem atingido cada vez mais jovens entre 30 e 50 anos

Mais comum em pessoas com idade acima dos 65 anos, a artrose vem atingindo também os mais jovens, exigindo uma atenção especial daqueles que não conhecem os incômodos efeitos do problema que pode atingir diversas articulações do corpo humano. Segundo informações da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), 10% da população na faixa etária entre 30 e 50 anos apresenta problemas relacionados a artrose. Desse número, a maioria são mulheres.

publicidade

“A artrose é um processo degenerativo onde ocorre a perda da anatomia articular saudável. Os sintomas mais comuns são dor e perda da mobilidade articular. A doença, até o momento, não tem cura. Os locais mais comuns de serem diagnosticados com artrose são: quadril, coluna, joelho, mão e punho, pé e tornozelo, ombro e cotovelo”, comenta a ortopedista Soraya Melina Alves, membro da Sociedade Brasileira do Quadril.

Segundo a especialista, a doença é mais comum em mulheres. Por isso, durante a vida sexual ativa, são elas que podem sofrer ainda mais com a artrose, principalmente quando a articulação acometida é o quadril. ‘‘A dor traz limitação para o ato sexual tanto de homens como mulheres. Em alguns casos mais específicos, como artrose em coxas profundas ou otopelves (condições em que há um encarceramento da cabeça do fêmur), a mobilidade do quadril é muito restrita impedindo até mesmo a abertura dos membros inferiores ou mobilidade pélvica’’, afirma a médica.

publicidade

Segundo Soraya, a artrose no quadril tem diferentes estágios. ‘‘Nos mais iniciais, o tratamento clínico é a melhor opção visando manter boa mobilidade e controle da dor’’, diz a especialista. Já sobre o tratamento, a médica afirma que a cirurgia, em casos mais graves, é o mais indicado. ‘‘Com a progressão dos sintomas e as limitações funcionais, o tratamento cirúrgico é o indicado. A artroplastia do quadril (procedimento cirúrgico) é a indicação padrão para os casos de coxartrose’’, conclui.

De acordo com a especialista, para as mulheres que têm a doença, mas ainda estão em idade de vida sexual ativa, a criatividade é essencial. ‘‘Se a paciente tem mobilidade no quadril, mas tem dor, o indicado é seguir um tratamento com medicação. Outro ponto é indicar para a paciente posições alternativas que não necessitem de abertura de perna para evitar o desconforto. Geralmente, as posições de lado são as que não trazem desconforto ou dor no quadril para a paciente, mas também, ela pode usar a criatividade nesse momento’’, completa Soraya.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Últimas Notícias

Alunos do Colégio Militar John Kennedy receberam uniformes do governo estadual

Em cerimonial realizado na tarde desta sexta-feira, 15, no Dia do Professor, nas dependências do agora Colégio...

Bombeiros cancelam buscas a homem supostamente desaparecido

O Senhor José Ademir dos Santos, 56, encontra-se desaparecido desde 2 de outubro, na região da fazenda...

Polícia Civil faz apreensão de moto-serras utilizadas para corte ilegal na propriedade da Araupel

Uma Operação da Polícia Civil aprendeu nesta quinta-feira, 14, três moto-serras que estavam sendo usadas para...

Comentários Recentes