ProntoVet

Xilitol pode reduzir carga viral de SARS-CoV-2 no aparelho respiratório superior

Quando as vias superiores são um dos principais canais para a entrada de infecções pulmonares, acende um alerta de que terapias intranasais possam ser uma munição promissora na guerra travada contra o coronavírus.

Xilitol é um adoçante natural encontrado nas fibras de muitos vegetais, incluindo milho, framboesa, ameixa, entre outros, e que também pode ser extraído de alguns tipos de cogumelo. É obtido pela hidrogenação catalítica da xilose. O xilitol é tão doce quanto a sacarose, porém é cerca de 40% menos calórico. 

Xilitol é um adoçante natural encontrado nas fibras de muitos vegetais

Com mais de 131 milhões de casos positivos em todo o mundo¹, um ano após o início da pandemia do coronavírus, muito ainda se discute sobre diretrizes essenciais, tratamentos efetivos e novas terapias que possam minimizar o contágio pela infecção do SARS CoV-2, agente causador da Covid-19.

Estudos publicados pela Science, prestigiada revista cientifica, indicam que o nariz é a principal porta de entrada do novo coronavírus no organismo²4. Por isso, tornou-se essencial entender como terapias intranasais poderiam evitar a transmissão do vírus e inibir a infecção do SARS-CoV-2.

 “O novo coronavírus (SARS CoV-2), agente causador da síndrome respiratória aguda grave na Covid-19, pode ser transmitido principalmente por gotículas respiratórias e contato próximo. Cientistas constataram que os receptores ACE2, NRP1 e a proteína TMPRSS2 são encontradas em grande quantidade nas vias aéreas e menos em brônquios e pulmões. Presentes na superfície celular, receptor e proteína são responsáveis por permitir a entrada e a multiplicação do vírus no organismo. Quando as vias superiores são um dos principais canais para a entrada de infecções pulmonares, acende um alerta de que terapias intranasais possam ser uma munição promissora na guerra travada contra o coronavírus”6, relata Denise Katz, médica pediatra e gerente médica da Hypera Pharma (CRM-SP 63548).

Nesse contexto, uma revisão publicada pelo Journal of Allergy and Infectious Diseases6avaliou pesquisas recentes e sugere que agentes com propriedades antivirais administrados pela via intranasal, podem ser mais uma opção para diminuir a atividade do vírus no trato respiratório e, assim, auxiliar na redução da transmissão e evolução da doença. 6

De acordo com a publicação, um estudo in vitro, conduzido por Bansal et al.7, comparou a ação antiviral de iota-carragenina e xilitol contra SARS-CoV-2. Eles descobriram que iota-carragenina em concentrações tão baixas quanto 6 µg/mL e o xilitol em uma concentração de 5% m/V –  facilmente incorporadas em sprays intranasais – demonstram inibir a infecção por SARS-CoV-2 em culturas de células Vero. 6,7

Outro modelo de estudo, esse com animais, conduzido por Xu e colaboradores8, demonstrou que o xilitol na dieta teve atividade antiviral contra o vírus sincicial respiratório humano (VSRh). Os camundongos receberam xilitol via oral, por 14 dias, antes do desafio do vírus e três dias após o desafio. Os resultados indicaram uma redução de vírus encontrados nos pulmões dos animais que receberam xilitol por via oral, o que inibiu e diminuiu a gravidade da infecção. Também foi descoberto que menos Linfócitos CD3 + e CD3 + CD8 + foram ativados nos camundongos que receberam xilitol na dieta, o que indicou uma redução na resposta associada à inflamação e à infecção por VSRh. 6,8

Os autores da revisão concluíram que a terapia intranasal tem potencial para agilizar a recuperação de pacientes com Covid-19 em quadros leves e moderados, reduzir a transmissão da infecção de pessoa para pessoa e, consequentemente, auxiliar na prevenção da infecção   dos profissionais de saúde por meio de exposição em procedimentos e exposição pré-operatória, além da possibilidade de ser utilizado como profilaxia pós-exposição. 6

“A possibilidade de utilizar agentes com propriedades antivirais como o xilitol para diminuir a transmissão do vírus e limitar as complicações mais graves de doenças infecciosas é animadora. A concentração sinalizada nos estudos pode ser facilmente encontrada em sprays nasais já disponíveis no mercado. O excelente perfil de segurança e a atividade única para reduzir as cargas virais, torna o xilitol uma possível alternativa dentro das terapias antivirais. A prática clínica ainda precisa ser estudada, visando a eficácia e segurança dos tratamentos, mas a terapia nasal se mostra promissora”, pondera a médica.

Mecanismos de ação do xilitol9,10

O sistema imunológico tem como uma das suas principais funções manter a homeostase e prevenir ou eliminar infecções. As defesas do organismo contra bactérias e vírus atuam de duas formas: sob imunidade inata, que já nasce com o indivíduo e fornece proteção imediata contra invasão microbiana, e a imunidade adaptativa, aquela que fornece uma defesa mais tardia e adquirida ao longo da vida, sendo mais especifica contra infecções.9,10

A imunidade inata do nariz e dos seios paranasais ocorre por meio do epitélio mucoso e glandular, que secreta uma grande variedade de moléculas de defesa, capazes de matar ou neutralizar microrganismos. O xilitol tem um papel importante neste processo imunológico, uma vez que potencializa a produção de óxido nítrico (NO), substância que faz parte da primeira linha de defesa do corpo contra microrganismos, por meio da sua ação antiviral e antibacteriana. Além disso, o xilitol também promove o aumento do batimento ciliar da mucosa nasal, um mecanismo de defesa respiratório que ajuda a expelir o vírus para fora do organismo. 9,10 

“O mundo está passando por momentos sem precedentes com opções ainda limitadas de tratamentos disponíveis e a administração intranasal de terapias antivirais pode ser uma nova estratégia clínica no tratamento com Covid-19”, encerra. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Últimas Notícias

Comentários Recentes