ProntoVet

Em tempos de Coronavírus, Quedas em alerta com novo surto de dengue

Com mais de 130 mil casos o surto de dengue registrado por aqui, no Paraná e Brasil é alarmante com dezenas de mortes

Os números da dengue em Quedas do Iguaçu são alarmantes, no último boletim emitido pela secretária de epidemiologia, Melânia Stormoski mais de 160 casos foram confirmados, mas seguramente o número é maior pois algumas pessoas não chegam a realizar o teste.

Mesmo com a atenção de todo o planeta voltada para o novo Coronavírus, o Brasil ainda luta contra o antigo inimigo, registrando novamente números preocupantes de dengue. Segundo o Boletim Epidemiológico divulgado neste mês de março pelo Ministério da Saúde, o país retornou à zona endêmica, registrando mais de 131 mil novos casos prováveis em 2020, entre eles dezenas de óbitos.

A enfermeira Melânia Stormoski é a chefe do setor epidemiológico local

Causada pelo arbovírus, a dengue é uma doença viral transmitida por mosquitos fêmea das espécies Aedes aegypti e Aedes albopictus. Com período médio de incubação de 5 a 6 dias. As manifestações clínicas da doença são caracterizadas por febre alta (39°C a 40°C), de início abrupto, seguido de sintomas como cefaleia, mialgia, prostração náuseas, vômitos e prurido cutâneo. A doença se manifesta ainda nas formas hemorrágicas, as mais graves, capazes de causar: gengivorragia, petéquias e equimoses, gastroenterorragia, choque e, até mesmo, a morte.

Neste contexto, diversos testes e metodologias foram empregados para auxiliar na precisão do diagnóstico clínico e no tratamento dos pacientes. O Diagnósticos do Brasil (DB), principal laboratório exclusivo de apoio do país, dispõe de três metodologias para a identificação da enfermidade. “O diagnóstico mais rápido é o NS1, considerado atualmente como um marcador de infecção aguda pelo vírus da dengue antes do aparecimento dos anticorpos das classes IgM e IgG, permitindo detecção precoce do vírus, 24 horas após o início dos sintomas, além de ser encontrado nas infecções primárias e secundárias”, explica Deivis Paludo, gerente de relacionamento do DB.

Outra metodologia utilizada pelo laboratório funciona por meio da detecção de anticorpos IgG e IgM sorologia, com o Método Enzyme-Linked Immunosorbent Assay (ELISA). “Atualmente, os testes captam os quatro sorotipos, e devem ser solicitados a partir do sexto dia do início dos sintomas. A detecção desses anticorpos pode ser útil na diferenciação entre infecções primárias e secundárias”, conta Deivis.

Fechando o diagnóstico dispomos do uso de métodos moleculares que são uma das principais ferramentas para o diagnóstico da dengue no Brasil. Devido a sua alta sensibilidade e especificidade, a técnica diminui o risco de resultados falso-positivos ou falso-negativos, além de contribuir muito, por sua importância nos estudos epidemiológicos, para o entendimento da distribuição da infecção dentro das populações.

“Disponibilizamos ainda a detecção específica do vírus da Dengue por PCR, (Reação de Polimerase em Cadeia, biologia molecular), que pode ser realizada de forma precoce, identificando diretamente as partículas virais circulantes. Hoje temos dois exames por essa metodologia, um para fazer a Detecção do vírus e outro que além da detectar consegue especificar qual dos 4 tipos de vírus da Dengue (DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4) está infectando o paciente em questão”, completa Deivis Paludo.

Cada uma das metodologias usadas é primordial no decorrer da evolução da doença (Infecção inicial, fase aguda, cicatriz sorológica e reinfecção), assim conseguimos fornecer suporte total para que o médico consiga fechar rapidamente a diagnóstico, alinhado a dados clínicos, e com melhora no suporte e tratamento de seus pacientes.

- Advertisment -

Últimas Notícias

Governador decreta volta das aulas presenciais

O governador do estado do Paraná Ratinho Junior em Decreto divulgado esta semana no Diário Oficial autorizou a retomada das aulas presenciais...

Comentários Recentes