Teste do pezinho está com versões atualizadas e ainda mais eficientes

O exame detecta doenças genéticas ou congênitas e conta com versões capazes de identificar até 15 enfermidades, que podem receber o tratamento correto caso diagnosticadas em seu estágio inicial

0
47

Realizada pela primeira vez no início dos anos 60, nos Estados Unidos, a triagem neonatal, popularmente conhecida como Teste do Pezinho, é um exame simples, porém de extrema importância para a saúde de recém-nascidos. Devendo ser realizado, preferencialmente entre o terceiro e o sétimo dia de vida do bebê, o teste, que em sua versão básica é capaz de identificar quatro doenças: fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, doença falciforme e hemoglobinopatias conta também com versões mais complexas, como o Perfil Master, capaz de detectar até 15 enfermidades em recém-nascidos.

A triagem neonatal consiste na coleta de sangue da região calcânea do pé da criança, área sugerida por ter boa irrigação sanguínea e por causar menos dor. O sangue coletado é encaminhado ao laboratório e o resultado leva em média quatro dias úteis para ser disponibilizado. O gerente de relacionamento do Laboratório Diagnósticos do Brasil (DB), um dos maiores laboratórios de apoio de análises clínicas do país, Deivis Junior Paludo, lembra da importância na realização do Teste do Pezinho. “O Teste do Pezinho é um exame de prevenção fundamental para a saúde da criança. Hoje o setor de neonatal do DB realiza cerca de 6.000 exames por mês, oferecendo quatro planos para o Teste do Pezinho, que incluem exames mais complexos e conseguem identificar um número maior de doenças”, explica o especialista.

No DB, por exemplo, são disponibilizadas diferentes opções do exame: Básica, citada anteriormente; ampliada, capaz de identificar também, fibrose cística e hiperplasia adrenal congênita; Plus, detecta inclusive galactosemia, deficiência da biotinidase e toxoplasmose congênita; e Master, que além de identificar todas as enfermidades citadas nos outros planos, ainda é capaz de diagnosticar deficiência de g6pd, chagas congênita, sífilis congênita, rubéola congênita e infecção congênita por citomegalovírus.

Grande parte das patologias identificadas pela triagem neonatal têm tratamento quando diagnosticadas em seu estágio inicial, logo nas primeiras semanas de vida da criança. São doenças progressivas que podem não se manifestar de imediato, mas podem ser fatais caso não sejam tratadas a tempo. “O teste do pezinho é um exame rápido e praticamente indolor capaz de diagnosticar doenças genéticas ou metabólicas no recém-nascido. A realização do exame dentro do prazo indicado faz com que a prevenção de diversas enfermidades seja possível e, consequentemente, impede-se a evolução de doenças que podem levar à deficiência intelectual ou comprometer a qualidade de vida da criança”, completa a pediatra Priscila Moraes, do aplicativo médico Docway.