Projeto que reduziu a infestação do mosquito da dengue em Jacarezinho (PR) é apresentado em Brasília

Tecnologia inédita desenvolvida pela Forrest Brasil teve sua eficácia comprovada em projeto piloto realizado em três bairros na cidade do interior do Paraná

0
475

O Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), em Brasília, recebeu a diretora da Forrest Brasil Tecnologia Elaine Cristina dos Santos e a coordenadora do projeto de controle biológico da empresa Lisiane de Castro Poncio, juntamente com o prefeito de Jacarezinho (PR) Sérgio Eduardo de Farias e o secretário municipal de Saúde Marcelo Nascimento da Silva. Na ocasião eles apresentaram os resultados do projeto piloto de combate à infestação de mosquito Aedes aegypti, realizado na cidade de Jacarezinho no Norte Pioneiro do Paraná.

O município, com pouco mais de 40 mil habitantes, e distante cerca de 400 km de Curitiba, hoje é referência no combate à dengue, mas já esteve entre os que registraram o mais alto risco de surto de dengue, zika e chikungunya no Brasil, devido aos altos índices de infestação do mosquito Aedes aegypti. Com um projeto inédito, desenvolvido pela Forrest, em parceria com o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), os índices de infestação do mosquito tiveram redução de 90% na área tratada. O projeto está chamando a atenção pela tecnologia inovadora, que dispensa o uso de inseticidas

“Foram oito meses de solturas sistemáticas de mosquitos machos estéreis, totalizando 12 milhões de mosquitos, que resultaram em reduções significativas, principalmente da dengue, na cidade. A técnica natural consiste em esterilizar mosquitos machos e soltá-los na natureza. Como a fêmea copula uma única vez durante a vida, se a cópula for com um macho estéril então não haverá descendentes. Já se a cópula acontecer com um macho não estéril, uma fêmea pode gerar até 500 ovos, que vão resultar em novos mosquitos”, explica a coordenadora Lisiane de Castro Poncio.

Os dados apresentados comprovam a eficácia do Projeto Piloto “Controle Natural de Vetores”, considerado um caso de sucesso e que pode ser adotado por cidades do mundo todo. “A tecnologia, aliada ao trabalho de educação e conscientização da população, contribuiu para a redução desses índices. Tudo isso foi possível com o apoio da população e das autoridades locais, especialmente da prefeitura e da Secretaria Municipal de Saúde. Agora mostramos esses resultados para autoridades de outras cidades que enfrentam o mesmo problema e buscam soluções sustentáveis para combater o Aedes aegypti”, conta a diretora Elaine Cristina dos Santos.

O trabalho na cidade de Jacarezinho foi realizado nos bairros Aeroporto, Novo Aeroporto e Vila Leão. De acordo com o prefeito Sergio Eduardo Emygdio de Faria, o Dr. Sérgio (DEM), “o objetivo agora é buscar uma alternativa para ampliar este projeto para outros bairros com a Vila São Pedro, que hoje sofre com a infestação do mosquito”.