ProntoVet

Volta às aulas exige atenção à vacinação das crianças

Segundo especialistas, a imunização é considerada a melhor forma de proteção contra doenças sérias como meningite meningocócica, poliomielite, catapora, gripe e pneumonia

Fevereiro é o mês de volta às aulas e além do cuidado com a lista de materiais, uniformes e escolha do transporte, os pais devem se atentar à saúde, não apenas ao regular os horários de sono, mas também com as vacinas das crianças e adolescentes. 

Neste ano, passou a vigorar em todo o Paraná a lei estadual nº 19.534, que torna obrigatória a apresentação de carteirinha de vacinação de alunos com idade até 18 anos, no ato da matrícula, em escolas públicas e privadas.

Para a médica pediatra Stela Erika Kudo, da Unimed Laboratório, a medida deve ajudar a aumentar o índice de imunização, que está em queda, mas ainda é a melhor forma de proteção contra doenças sérias como meningite meningocócica, poliomielite, catapora, gripe e pneumonia, que podem até levar a óbito.  “Todos os momentos merecem atenção, mas o retorno à escola, exige dos pais um cuidado maior com as saúde dos filhos, pois muitas crianças em um mesmo ambiente acaba facilitando a proliferação de vírus e bactérias”, explica.

Ela ainda esclarece que a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) possuem calendários de vacinação com recomendações que complementam o Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, abrangendo também vacinas que atualmente só estão disponíveis na rede privada para crianças e jovens, como as da meningite B e pneumocócica 13 valente, que ampliam a proteção contra alguns sorotipos não presentes nas vacinas do posto.

O infectologista da Unimed Laboratório, Jaime Rocha, também destaca a importância da vacinação de familiares dos alunos. “Para ajudar a manter as crianças protegidas, é essencial que os pais e demais familiares do convívio diário também estejam vacinados, prevenindo e evitando a disseminação de doenças para essas pessoas”, alerta, reforçando que os profissionais que trabalham em escolas também devem estar com as vacinas em dia, pois podem pegar e transmitir doenças, mesmo quando não as manifestam.

Sobre as vacinas disponíveis no mercado, Rocha lembra que todas são aprovadas e submetidas a testes rigorosos ao longo das diferentes fases de ensaios clínicos e seguem avaliadas constantemente. Os cientistas também monitoram periodicamente as informações de várias fontes para qualquer sinal de eventos adversos relacionados a alguma vacina. Sobre as reações, segundo o médico infectologista, quando ocorrem, são leves e temporais, como dor no local da aplicação ou febre baixa. Efeitos colaterais graves são raros, sendo todos notificados e investigados imediatamente. “De uma maneira geral, é muito mais fácil sofrer graves lesões por uma doença prevenível por vacinação do que por uma vacina. A imunização contra o sarampo, por exemplo, pode evitar complicações graves da doença como pneumonia, encefalite e cegueira. Ou seja, os benefícios da vacinação superam amplamente os riscos, considerando que muitas outras doenças e mortes ocorreriam sem a imunização”.

- Advertisment -

Últimas Notícias

Sicredi vai destinar R$6,9 bilhões em créditos para pré-custeio da safra 21/22

Com foco em dar suporte ao agronegócio – setor que fechou 2020 com saldo positivo de 9% no PIB agropecuário mesmo em...

Novo Decreto pode entrar em vigor ainda esta semana (Boletim Covid-19) 24/02/2021

Em reunião na manhã desta quarta-feira, 24, na prefeitura de Quedas do Iguaçu (centro-sul paranaense) o Comitê de Prevenção ao Covid juntamente...

Rotary completou 116 anos como uma das mais importantes organizações humanitárias do mundo

Fundado em meados dos anos 80 em Quedas do Iguaçu (foto arquivo JE), o Rotary Club é uma das entidades mais atuantes...

Comentários Recentes